Tuesday, September 16, 2008

Morreu Hector Zazou

Um telefonema hoje, ao fim do dia, marcou a jornada: morreu Hector Zazou.

Pode muito bem ter sido com Hector Zazou que aprendemos a ousadia da descoberta das outras músicas. Zazou foi um ponto de partida. Partiu ele próprio, no passado dia 8 de Setembro em Paris, depois de longos meses doente.

Hector Zazou está obrigatoriamente numa bem pensada lista dos melhores discos que nunca ouviu, e figura no palco das memórias dos melhores concertos de sempre neste mundo, que nunca soube que aconteceram.

Zazou global: a sua origem pode explicar a amplitude das sua obra. Nascido na Argélia, filho de pai francês e mãe espanhola.

Das polifonias corsas ao mistério das vozes búlgaras. Bill Laswell, Dead Can Dance, John Cale, David Sylvian, Ryuichi Sakamoto, Harold Budd, Nico, Jane Birkin ou Björk.

Zazou emblemático na série belga Made to Measure, da Crammed Discs: edições com música para ouvir e ver. Geografias e Geologias que nos são dadas a conhecer e a que nunca poderemos aspirar tocar. Viajar em Sahara Blue, ou navegar nas Chansons des mers Froids.

In The House of Mirrors
será o décimo primeiro registo de Zazou para a Crammed, edição póstuma gravada no início do ano com músicos da Índia e do Uzbequistão e que será editado nas próximas semanas.

A música de Hector Zazou foi e será sempre muito maior do que este nosso pequeno mundo.

1 comment:

Lorenzo said...

Descanse en Paz Héctor. Eu nao conhecía, mas seguro foi uma grande pessoa. Sensibilidade e arte sao nascem da bondade.